Início

fluxo

Eu acredito muito no poder de navegar. Acredito que todo navegar tem a função de nos relembrar quem somos e de onde viemos. Pureza, pra mim, é de onde todos nós um dia surgimos, a fonte da vida, da criação, é recordação de que somos luz, pulsante magia do universo, e que se estamos longe, precisamos retornar.

E é sobre esse retornar à fonte que sigo cumprindo meu dharma, assim, acolhi como cor importante do meu fluxo: relembrar, a quem esquecer, que somos pura luz e magia.

Nesse existir, muitas vezes nos esquecemos, nos poluímos daquilo que não somos, e por transitório, mergulhamos em dor e sofrimento.

O que quero dizer é: não somos dor e sofrimento, mas estamos, por esquecimento de que a vida quer a vida e que os ciclos são importantes para a manutenção do existir. Sempre que algo estiver fora do fluxo natural da vida, um ajuste será necessário, o que chamamos de karma.

Então, purificar é necessário para manter a vida em sua abundância e plenitude porque pureza é essência da vida.

Por isso, convido você a vir comigo e a navegar nessa purificação do ser, do encontro com a nossa essência!

O instrumento tocado no vídeo é a taça ou tigela tibetana. Estive ao vivo no Instagram explicando um pouco sobre ele, tirando dúvidas e, ao final, meditando por um pouco mais de tempo.

O áudio da live foi para o Podcast e pode ser ouvido aqui no Spotify ou no vídeo abaixo:

Para facilitar o consumo do conteúdo, os pontos importantes estão listados abaixo: 

  1. [ 0:00 a 1:40 ] boas vindas 
  2. [ 1:41 a 2:36 ] momento rápido com a taça tibetana 
  3. [ 2:37 a 27:27 ] explicação sobre a taça tibetana (qualidade dos sons, nossa conexão com os sons, música e propósito de cura, sons e a meditação, estabelecendo conexão com o instrumento, produção de sons de acordo com as características do instrumento, dicas para escolher e comprar uma taça, como tocar a taça tibetana, conexão da taça com a energia do ambiente, taça e técnicas terapêuticas, preços e onde comprar) 
  4. [ 27:28 até 31:22 ] meditação com a taça tibetana 
  5. [ 31:23 até o fim ] encerramento